Header Ad

MP vai acompanhar atuação de policiais em manifestações de rua no Rio

30 de novembro de -0001
8 Visualizações

Com o objetivo de observar e fiscalizar a atuação de policiais militares e manifestantes, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) vai passar a acompanhar atos de protestos previamente agendados nas ruas e praças da cidade.

O acompanhamento é uma reação às denúncias de violência policial que ocorreram durante a greve do dia 28 de abril, quando a polícia teria agido com violência, jogando bombas de gás lacrimogêneo e atirando balas de borracha para dispersar os manifestantes na Cinelândia, durante mobilização contra as reformas trabalhista e da Previdência.

O anúncio foi feito pelo procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, que recebeu, na segunda-feira (8), o deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ) e o presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Rio de Janeiro (OAB/RJ), Breno Melaragno, para tratar sobre os atos.

Na ocasião, o deputado federal entregou representação ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pedindo “apuração da violência praticada por policiais contra a população e a responsabilização das autoridades competentes”. Ele também entregou imagens que registraram a atuação da polícia, segundo o MP..

O procurador-geral de Justiça disse, em nota, que o Ministério Público já instaurou procedimento “para investigar os atos de violência, tanto por parte de policiais quanto dos participantes. Ele informou que vai ouvir testemunhas e vítimas, incluindo parlamentares que participaram do ato do dia 28”.

Gussem afirmou que o ministério vai atuar em conjunto e de forma estratégica com a OAB para acompanhar as manifestações. “O MP fluminense irá para as ruas fiscalizar os protestos e a atuação dos policiais e dos manifestantes.” O ministério está estudando a elaboração de um protocolo de atuação da polícia durante as manifestações.

Complexo do Alemão

O procurador-geral de Justiça recebeu os deputados estaduais Marcelo Freixo (PSOL/RJ) e Flávio Serafini (PSOL/RJ), que entregaram aomda ainda uma representação sobre a ocupação de casas por parte da polícia no Complexo do Alemão.

Em relação aos domicílios ocupados, o órgão informou que já está tomando providências. “A instituição vem fazendo reuniões com autoridades da Secretaria de Estado de Segurança e encontros com moradores do Complexo do Alemão para retomar a pacificação da Fazenda Nova Brasília”.

Representantes do MPRJ estão se reunindo ainda com o comando da 2ª UPP – Morro do Alemão e dos Grupos Especiais da PMERJ, o comando geral da PMERJ, incluindo os chefes Operacional e do Estado Maior, a Secretaria de Estado de Segurança e com lideranças comunitárias para que seja encontrada uma solução que equacione os problemas decorrentes da ocupação.

“A proposta é fortalecer a polícia de proximidade, uma filosofia de atuação em segurança pública, segundo a qual as ações são definidas com base em negociação com a comunidade, ou seja, trata-se de uma espécie de polícia comunitária”, disse o ministério, em nota. Na avaliação do MPRJ, o sucesso da política de pacificação na UPPs depende em parte desta aproximação com a sociedade.

RECOMENDAMOS

Em meio à crise financeira, inscrições no vestibular da Uerj caem 55%
Brasil
0 shares7 views
Brasil
0 shares7 views

Em meio à crise financeira, inscrições no vestibular da Uerj caem 55%

CONEWS - jun 22, 2017

Com sevidores e docentes ainda sem receber o salário de maio e o 13° de 2016, o Fórum de Diretores…

Brasil
0 shares6 views

Fachin abre prazo de cinco dias para PGR decidir se denuncia Temer

CONEWS - jun 22, 2017

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu hoje (22) abrir prazo para a Procuradoria-Geral da República (PGR)…

Brasil
0 shares8 views

Congresso pode votar LDO antes do recesso parlamentar de julho

CONEWS - jun 22, 2017

O Congresso Nacional poderá votar o Projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018 antes do início do recesso…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.