Header Ad

Deputados dizem que representantes da Justiça do Trabalho estão distantes do “mundo real”

30 de novembro de -0001
54 Visualizações

Parlamentares favoráveis à reforma trabalhista rejeitaram o posicionamento de representantes da Justiça do Trabalho, que foram unânimes em criticar a proposta do governo (PL 6787/16) em audiência pública da comissão especial que discute o projeto. Para esses deputados, a Justiça trabalhista e o Ministério Público estão distantes do “mundo real”. Mais cedo, na audiência, a ministra do Tribunal Superior do Trabalho, Delaíde Alves Miranda Arantes, disse que “há grandes inverdades” nos argumentos do governo para promover a reforma trabalhista, que poderá gerar a precarização de direitos.

O deputado Valdir Colatto (PMDB-SC) foi um dos que afirmou que a Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho “estão distantes do Brasil real”. Segundo ele, “parece que os operadores da Justiça e do MP não conversam com empreendedores e empregadores”, que não têm contratado empregados por conta da falta de segurança jurídica. Para o parlamentar, os debatedores passaram muito tempo defendendo categoria, mas pouco abordaram o projeto de reforma em discussão.

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) acredita que os representantes da Justiça ouvidos na audiência têm “posição política” e tentam “tapar o sol com a peneira” em vez de procurar contribuir com a reforma. Conforme ele, “não dá para negar que 3 milhões de ações é um absurdo” e que os empregadores temem empregar por conta da falta de segurança jurídica. “Saiam da posição de que está tudo bem, e venham nos ajudar a construir algo diferente”, pediu.

Já o deputado Patrus Ananias (PT-MG) afirmou que todos têm posições políticas na discussão, uns defendendo os interesses “do grande capital”; outros, das “classes trabalhadoras”. Ele salientou que a maior parte das ações trabalhistas são causadas pelo não pagamento de direitos trabalhistas pelos empregadores. “Ainda estamos no Brasil tentando civilizar o capitalismo; ainda vivemos um capitalismo selvagem, por isso é grande o número de ações trabalhistas”, apontou, acrescentando ainda que ainda existe trabalho análogo ao escravo no País.

Segurança jurídica
O relator da proposta de reforma trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), destacou a necessidade de se dar segurança jurídica às relações trabalhistas. Marinho concorda com debatedores que a reforma não vai por si só gerar emprego, mas terá de ser acompanhada pela austeridade fiscal, investimento, produtividade, educação, entre outros fatores. Além disso, o relator afirmou que a situação do Brasil não pode ser comparada a de outros países que promoveram reformas trabalhistas, já que tem particularidades.

A audiência prossegue no plenário 1.

Assista também pelo canal da Câmara dos Deputados no YouTube

RECOMENDAMOS

Festival de Brasília anuncia vencedores neste domingo
Brasil
0 shares67 views
Brasil
0 shares67 views

Festival de Brasília anuncia vencedores neste domingo

CONEWS - set 24, 2017

Os vencedores do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro serão anunciados hoje (24), durante a cerimônia de encerramento do…

Governo do Rio anuncia criação de Fundo de Segurança com royalties do pré-sal
Brasil
0 shares12 views
Brasil
0 shares12 views

Governo do Rio anuncia criação de Fundo de Segurança com royalties do pré-sal

CONEWS - set 24, 2017

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, anunciou hoje (24) a criação do Fundo de Segurança, que terá…

Mesmo poluída, Baía de Guanabara é fonte de renda para milhares de pescadores
Brasil
0 shares16 views
Brasil
0 shares16 views

Mesmo poluída, Baía de Guanabara é fonte de renda para milhares de pescadores

CONEWS - set 24, 2017

Aos 67 anos, Sérgio Souza dos Santos, pescador há 58 anos, lembra com saudades dos bons tempos de pesca na…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.