Header Ad

Técnico pede calma com Vinicius, Alan e sub-17: “Não são Neymar, Jesus…”

30 de novembro de -0001
13 Visualizações

Ainda antes vitória por 3 a 0 sobre o time colombiano – na noite desta quinta-feira, em Rancagua, o Brasil sub-17 entrou classificado para o Mundial de outubro na Índia. A melhor campanha da competição sul-americana impressiona – são oito jogos, seis vitórias, dois empates, com 19 gols marcados (média de 2,3 por partida) e apenas três sofridos. Vinicius Junior é o maior destaque do time e artilheiro do Sul-Americano com sete gols em sete partidas. Mas a geração vai muito além do promissor jogador do Flamengo, cobiçado por grandes clubes europeus e observado por olheiros no Chile.

O baiano Carlos Amadeu pode dizer que vive em dois mundos neste momento. O técnico da seleção sub-17 não se cansa de elogiar seus atletas, de ressaltar a força do grupo, a evolução partida a partida e aponta para outros destaques, que não fique apenas no óbvio holofote em cima de Vinicius Junior. As atuações de Alan, camisa 10, também empolgam. O jogador do Palmeiras colocou Vinicius na cara do gol duas vezes e ainda bateu o escanteio para Alerrandro finalizar o placar no estádio El Teniente. Mas por outro lado Amadeu se preocupa também em frear a empolgação em cima desses meninos. – O Vinicius, assim como todos outros atletas que temos aqui, é promissor. São apenas promissores. Nenhum deles é realidade. Não atuaram na equipe profissional dos seus clubes ainda. Não são Neymar, Gabriel Jesus… Calma! Temos que ter muita tranquilidade nessa hora – disse Amadeu, em entrevista ao GloboEsporte.com, após a vitória sobre a Colômbia.

 Grupo formado desde o sub-15O discurso Amadeu ecoa na palavra dos próprios garotos. Vinicius, Paulinho, Alan, Lincoln… todos garotos, quando questionados sobre a ascensão para os times profissionais de seus clubes, repetem: “não estou pensando nisso agora. Na hora certa vai acontecer”. Mas nem mesmo o técnico da seleção consegue disfarçar a expectativa em ver essa geração chegar longe. Há dois anos sete dos atuais 11 titulares do time que joga o Sul-Americano no Chile foram campeões invictos do continente no sub-15. Deste grupo campeão há dois anos, 12 subiram de categoria e permanecem na seleção sub-17. 

Amadeu está na seleção sub-17 há dois anos. Ao lado, hoje, tem o auxiliar Guilherme Dalla Déa, técnico da maioria desses meninos no sub-15 há dois anos. Eles lembram que o maior desafio é justamente criar condições, gerar evolução, para que essa garotada continue subindo de categoria. E aposta alto: a base do grupo pode repetir a do tetracampeonato de 1994.- A última geração que chegou em grande quantidade no profissional foi a de Dunga, Jorginho, Bebeto, Giovani, Gilmar, Taffarel… Série de jogadores de muita qualidade que subiram juntos. A gente espera que essa geração represente esse retorno e esse resgate de futebol brasileiro, com pitada de futebol atual. Com a dinâmica de jogo, a compactação, a intensidade de jogo, nível de concentração mais elavado possível – lembrou Amadeu. 

Um novo camisa 10

Alan – chamado também de Alanzinho – tem apenas 1,62m e 59 kg. A dobradinha que o atleta faz com Vinicius Junior torna missão quase impossível dos adversários pará-los neste Sul-Americano. Na partida contra a Colômbia, além dos dois passes para gols, o garoto do Palmeiras deixou Vinicius na frente do goleiro colombiano outras vezes.

– Jogamos juntos desde o sub-15, fomos campeões sul-americanos sub-15 e a gente é bem entrosado de tanto tempo que joga junto, dos treinamentos – comentou o garoto do Palmeiras.

Amadeu lembra que o papel de Alan no Sul-Americano enfraquece o discurso de quem acha que o futebol brasileiro não revela mais jogadores de criação como antigamente. O treinador vê resultado na filosofia dos treinadores contratados ainda sob coordenação de Erasmo Damiani, ex-coordenador da base, demitido após o quinto lugar no Sul-Americano sub-20.  

– Quando chegamos na CBF, toda equipe, liderada na época pelo Damiani, projetava a ascensão desses jovens. Ao invés de convocar muitos jogadores maturados, de muita força, mas que de desempenho duvidoso mais à frente, preferimos jogadores que talvez não tenham níveis de força para competir num Sul-Americano, num Mundial, mas mais talentosos. O grande desafio é levar o maior número de jogadores possíveis da sub-17 para a sub-20, da sub-20 para a olímpica e depois para o profissional – comentou Amadeu. 

RECOMENDAMOS

Festival de Brasília anuncia vencedores neste domingo
Brasil
0 shares92 views
Brasil
0 shares92 views

Festival de Brasília anuncia vencedores neste domingo

CONEWS - set 24, 2017

Os vencedores do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro serão anunciados hoje (24), durante a cerimônia de encerramento do…

Governo do Rio anuncia criação de Fundo de Segurança com royalties do pré-sal
Brasil
0 shares12 views
Brasil
0 shares12 views

Governo do Rio anuncia criação de Fundo de Segurança com royalties do pré-sal

CONEWS - set 24, 2017

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, anunciou hoje (24) a criação do Fundo de Segurança, que terá…

Mesmo poluída, Baía de Guanabara é fonte de renda para milhares de pescadores
Brasil
0 shares16 views
Brasil
0 shares16 views

Mesmo poluída, Baía de Guanabara é fonte de renda para milhares de pescadores

CONEWS - set 24, 2017

Aos 67 anos, Sérgio Souza dos Santos, pescador há 58 anos, lembra com saudades dos bons tempos de pesca na…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.