Header Ad

Vale será multada por novo vazamento de rejeitos em Minas Gerais

30 de novembro de -0001
13 Visualizações

A mineradora Vale receberá multa da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) devido a um vazamento de rejeitos que contaminou rios e córregos da região central do estado. O problema ocorreu no último domingo (12), na conexão de um duto em Ouro Preto, em área próxima ao município de Itabirito.

O valor da multa ainda será calculado. A Vale também deverá apresentar, na próxima semana, um cronograma detalhado das ações de limpeza e remediação da área. Os rejeitos atingiram os córregos da Prata e das Almas, o ribeirão Mata-Porco, o rio Itabirito e o rio das Velhas. A Semad destaca que houve aumento da turbidez nos mananciais afetados e os danos ambientais ainda estão sendo avaliados. No entanto, o órgão garantiu que não há risco para o consumo de água na região.

Mudança de cor

O problema foi diagnosticado por gestores de Itabirito, a partir da mudança da cor do rio Itabirito. “Nós temos um grupo de monitoramento e um integrante voluntário notou a turbidez da água na noite de domingo. No dia seguinte, enviamos fiscais para investigar as causas e eles encontraram a adutora onde houve o vazamento. Já havia funcionários da empresa realizando os reparos”, disse o secretário de Meio Ambiente de Itabirito, Antônio Marcos Generoso.

Ele informou que a mineradora só lhe relatou o problema na segunda-feira (13). Segundo Generoso, não houve interrupções no abastecimento de água potável em Itabirito porque a captação é feita em córregos que não foram atingidos. Também não foram observadas mortes de peixes.

O secretário manifestou contudo preocupação com o assoreamento dos mananciais e reservatórios da região e citou o exemplo de uma pequena central hidrelétrica que foi atingida pelo vazamento. A central se situa próxima ao bairro São Geraldo, onde uma comunidade de baixa renda enfrenta alagamentos quando há chuva forte. A usina, que já reduziu sua capacidade devido ao assoreamento, atende apenas a uma indústria de tecidos.

Segundo a Vale, o incidente foi de baixa magnitude. Em nota, a mineradora informou que o duto é parte da estrutura da mina de Fábrica, em Congonhas, e que o problema foi identificado na última segunda-feira (13). “O vazamento foi contido de imediato e os esclarecimentos aos órgãos ambientais foram prestados no mesmo dia. Todas as ações para mitigação já foram adotadas e as causas do evento estão sendo apuradas”, informou.

Próximo a Mariana

A mina de Fábrica fica apenas a 53 quilômetros em linha reta do local onde ocorreu a tragédia de Mariana (MG) em novembro de 2015, quando houve o rompimento da barragem de Fundão, pertencente à Samarco Mineração S.A,, empresa controlada pela Vale e pela BHP Billiton. Dezenove pessoas morreram no desastre e comunidades foram destruídas, com devastação de vegetação nativa e poluição da bacia do Rio Doce. O episódio é considerado a maior tragédia ambiental do país.

 

RECOMENDAMOS

Brasil
0 shares15 views

PM faz operações na Rocinha e em outras favelas do Rio

CONEWS - set 19, 2017

Batalhões do Comando de Operações Especiais da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro realizam hoje (19) operações em diferentes…

Com 120 dias sem chuva, DF tem período mais longo de seca desde 2010
Brasil
0 shares19 views
Brasil
0 shares19 views

Com 120 dias sem chuva, DF tem período mais longo de seca desde 2010

CONEWS - set 19, 2017

O Distrito Federal completa hoje (19) 120 dias sem chuva. Desde 2010, a região não fica tanto tempo sem chuva,…

Brasil
0 shares22 views

IPC-S recua em cinco capitais brasileiras na segunda semana de setembro

CONEWS - set 19, 2017

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) caiu em cinco das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV)…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.