Header Ad

Audiência sobre privatização da Cedae é encerrada após protesto de servidores

30 de novembro de -0001
240 Visualizações

Terminou de forma tumultuada a audiência pública realizada nesta terça-feira (25) sobre a operação de crédito do governo federal para o estado do Rio de Janeiro, envolvendo como garantia ações da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). Apenas uma hora depois de começar, o evento foi interrompido pelos funcionários da Cedae, que subiram ao palco. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saneamento Básico e Meio Ambiente (Sintsama), Humberto Lemos, considerou que faltou publicidade à audiência e disse que irá questionar sua validade na Justiça.

“Esta audiência não foi pública, pois não deixou o povo entrar, só chamaram os empresários e o sindicato só conseguiu entrar por pressão. Ela não valeu, estamos entrando com ação na Justiça, questionando a falta de publicidade para o povo poder assistir. Ela foi encerrada pelo meio, pelas questões que eles não puderam responder”, declarou Lemos.

Para o subsecretário da Fazenda, Luiz Cláudio Gomes, que conduziu os trabalhos, a audiência foi válida e focou principalmente na operação de crédito para o estado, lastreada na futura privatização da Cedae.

“Foi um ato necessário do processo de licitação, uma audiência pública. Perguntas foram feitas e nós apresentamos o modelo do que se espera da operação de crédito, que é um item do Regime de Recuperação Fiscal que está sendo tratado com o governo federal. Não foi uma confusão muito grande, as pessoas se manifestaram e a audiência terminou”, disse o subsecretário.

Privatização

A venda da Cedae faz parte de um empréstimo de R$ 3,5 bilhões da União para o Rio, verba que será usada, principalmente, para saldar a folha de pagamentos, incluindo os salários  atrasados de servidores da ativa e aposentados. Representantes de bancos interessados no negócio acompanharam a audiência, mas saíram assim que começou o tumulto.

Segundo os funcionários da Cedae, a companhia vale dez vezes mais do que está sendo cogitado, o que seria próximo a R$ 38 bilhões. Eles também alegam que, com a privatização, o consumidor passará a pagar mais pela água, a exemplo do que teria acontecido em empresas de saneamento vendidas à iniciativa privada em anos anteriores. Atualmente, segundo eles, diversas cidades no mundo estão revertendo os processos de privatização dos sistemas de água e esgoto.

RECOMENDAMOS

Brasil
0 shares28 views

Temer: se reforma da Previdência não for votada este ano, será no início de 2018

CONEWS - dez 10, 2017

O presidente Michel Temer disse neste domingo (10) que a reforma da Previdência será aprovada, se não em 2017, "no…

Senado fará esforço concentrado para votar propostas às vésperas do recesso
Brasil
0 shares26 views
Brasil
0 shares26 views

Senado fará esforço concentrado para votar propostas às vésperas do recesso

CONEWS - dez 10, 2017

Às vésperas do recesso legislativo, que oficialmente começa no dia 23, os próximos 10 dias úteis de trabalho no Senado…

Brasil deixou recessão para trás, diz Temer na Argentina
Brasil
0 shares27 views
Brasil
0 shares27 views

Brasil deixou recessão para trás, diz Temer na Argentina

CONEWS - dez 10, 2017

O presidente Michel Temer declarou neste domingo (10) que a economia do Brasil deixou a recessão para trás com a…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.