Header Ad

Só um dos 13 municípios da Baixada tem atendimento de urgência satisfatório

30 de novembro de -0001
41 Visualizações

Dos 13 municípios que compõem a Baixada Fluminense, somente um apresentou condições satisfatórias no atendimento mínimo a urgências e emergências prestado à população. É o que mostra levantamento da Coordenadoria de Saúde e Tutela Coletiva da Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPRJ) e do Conselho Regional de Medicina (Cremerj).

Equipes dos dois órgãos inspecionaram 52 unidades de saúde nas cidades da Baixada, entre os dias 5 de abril e 18 de julho. Apenas Guapimirim apresentou bom funcionamento na unidade de saúde do município.

Principais referências para o atendimento à saúde na Baixada, o Hospitais Estadual Adão Pereira Nunes e o Hospital Geral de Nova Iguaçu, também conhecidos como hospitais de Saracuruna e da Posse, respectivamente, estão com mau funcionamento de equipamentos importantes para a realização de diagnósticos, como os tomógrafos, aponta o levantamento. Há ainda superlotação decorrente da falta do serviço nos municípios vizinhos, entre outros problemas.

A defensora Thaisa Guerreiro, da Coordenação de Saúde e Tutela Coletiva e do Núcleo de Fazenda Pública da DPRJ, explicou que as informações coletadas servirão para as ações administrativas e judiciais que serão movidas pela instituição a fim de restabelecer e qualificar o atendimento, a exemplo do envio de recomendações aos municípios ou mesmo o ingresso de ações civis públicas.

“É imperioso e urgente que os municípios da Baixada organizem a rede de atenção às urgências e emergências da região, de modo a desafogar os hospitais de Saracuruna e da Posse que, sobrecarregados, não conseguem prestar um serviço de saúde digno à população”, declarou.

As inspeções ocorreram em unidades de atenção às urgências e emergências, como hospitais gerais e unidades de Pronto-Atendimento (UPAs)  24h, assim como em unidades de assistência materno-infantil.

O resultado do mapeamento será disponibilizado às prefeituras e ao Ministério da Saúde, para que possa servir de base na definição dos repasses que são feitos pela União aos municípios, por meio do Fundo Nacional de Saúde, para o custeio dos serviços de saúde de média e alta complexidade.

“Os dados extraídos do Fundo Nacional de Saúde demonstram que, em alguns municípios, os gestores não estão executando as verbas que recebem do Ministério da Saúde para o financiamento de suas unidades hospitalares e pré-hospitalares, já que muitas, como se viu, estão fechadas”, disse a defensora, que também chamou a atenção para a falta de planejamento e gestão em algumas unidades.

“Os gestores poderiam registrar corretamente sua produção ambulatorial e hospitalar nos sistemas de informação do Ministério da Saúde e obter, assim, incremento dos repasses federais, o que reverteria, é claro, em maior oferta e melhor qualidade dos serviços de saúde prestados à população”.

Procuradas, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro e as prefeituras citadas não haviam se manifestado até o fechamento desta matéria.

RECOMENDAMOS

Brasil
0 shares8 views

Adolescente morre atingido por tiro na Rocinha, onde Bope faz operação

CONEWS - dez 16, 2017

Um adolescente de 15 anos morreu hoje (16), depois de ter sido baleado durante um tiroteio na favela da Rocinha,…

Brasil
0 shares14 views

Começa temporada de cruzeiros; Pier Mauá deve receber 400 mil pessoas até abril

CONEWS - dez 16, 2017

A temporada de cruzeiros teve um reforço neste fim de semana, com a chegada ontem (15) ao Pier Mauá, na…

Brasil
0 shares14 views

Guarda Costeira líbia resgata mais de 250 migrantes que tentavam chegar à Itália

CONEWS - dez 16, 2017

A Guarda Costeira da Líbia resgatou mais de 250 migrantes ilegais tentando deixar o país do Norte da África em…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.